Volta às aulas depois das férias de julho! Confira as dicas!

volta-aulas

 

As férias estão chegando ao fim e para nós, mães, vem aquela preocupação: será que os nossos pequenos vão passar por uma nova adaptação?

Conversamos com a Célia Pomaro, diretora da All Together Bilingual School, de São Paulo (SP)

 

1- As férias de julho são importantes?

As férias de julho são essenciais para a criança, professor e familiares. É a chance das crianças passarem um tempo de qualidade com os país, avós, tios, primos, fortalecendo os laços e fazendo programas gostosos em família.Viagens em família também costumam render experiências inesquecíveis, porque acabam criando um novo olhar para a criança, que vivencia novos locais, e até mesmo novos costumes…

Tudo isso é muito importante para que todos voltem mais descansados e, ao mesmo tempo, cheios de energia com novidades para compartilhar, seja por meio da fala, da escrita ou de desenhos, contando e compartilhando também com os coleguinhas como foram as férias de julho.

 

2 – Quais as principais dificuldades que podem aparecer na volta do recesso escolar? Quais dicas para auxiliar na readaptação?

Sempre recomendamos que, se possível, na última semana de férias, mesmo que a família esteja viajando, é interessante retomar aos poucos a rotina de horários, principalmente os de acordar, comer e dormir. Isso ajuda a criança a se preparar, a se readaptar, para que não tenha tantas dificuldades físicas ou psicológicas após o seu retorno à escola.

Outra dica, antes das aulas recomeçarem, é aos poucos relembrarem juntos momentos prazerosos que os pequenos tiveram na escola no primeiro semestre. Pode ser sobre os professores, os coleguinhas, ou alguma atividade especial realizada na escola. Assim, a criança vai associando a volta às aulas a coisas boas.

3- Há diferenças nesta readaptação da volta às aulas para as crianças menores e para as maiorzinhas? Pode descrever quais são de acordo com as faixas etárias?

 

Cada criança é uma criança e reage de maneira particular no retorno às aulas. Geralmente as crianças maiores retornam para a rotina escolar com maior facilidade e saudades dos professores e dos colegas.

As crianças menores, de um e dois anos, revelam um estranhamento inicial e necessitam de maior tempo para essa readaptação à escola.

A retomada do vínculo com as professoras e à própria rotina das aulas e do ambiente escolar são fatores que facilitam esse retorno.

 

4– E para as crianças que apresentam necessidades especiais, o retorno ao ambiente escolar é sentido igual?

 As crianças com necessidades especiais sentem mais essa mudança e o retorno à escola deve ser realizado de forma paulatina. Família e escola realizam um plano de readaptação para o restabelecimento do ambiente e da rotina.

A criança é o “termômetro” dessa nova readaptação e é ela que vai determinando as ações dos educadores a partir de suas respostas e necessidades.

É importante destacar que cada criança é um indivíduo único e singular e as intervenções pedagógicas e relacionais são tomadas a partir desse olhar individualizado.

No caso da criança especial, há necessidade de um maior tempo para essa reinserção e neste processo de adaptação é fundamental a parceria entre os familiares e a escola, que deve estar pautada numa relação de confiança e respeito.

 

Bom retorno!

Fernanda Poli
Fernanda Poli
{publicitária, paulistana e mãe}

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *